quinta-feira, 22 de novembro de 2012

Cadê a nossa Olivia?



Oi pessoal!

Precisava escrever sobre isso. Era algo que estava me incomodando e precisava compartilhar com meus queridos leitores. Como não sou expectadora assídua da novela “Salve Jorge”, vocês podem e devem me corrigir caso o que eu escrever aqui não tenha nada a ver. Assisto uns capítulos, aqui e ali, mas não sei o nome da metade dos personagens da trama. No entanto, algo tem me incomodado um pouco: a personagem da delegada vivida por Giovanna Antonelli.

Quando soube que a novela teria uma personagem delegada, imediatamente a minha imaginação infantil e ingênua associou-a a personagem Olivia Benson da série “Law & Order SVU”. Para quem não conhece, L&O SVU é uma série policial de sucesso nos EUA, que já está na 14º temporada e aqui é exibida no canal Universal Channel. A série aborda o dia a dia de uma equipe de policiais que investigam os casos mais hediondos que existem: pedofilia e estupro. Mesmo com um clima tão pesado no ar, a série é inteligente e muito cativante. Os personagens são bem construídos e os casos muito interessantes. Eu assisti praticamente tudo de SVU, desde a primeira temporada, perdendo um ou dois episódios no máximo. Aprendi muito com a série, especialmente como uma polícia deve tratar uma vítima de estupro e como a justiça deveria agir com criminosos como esses. Foi inevitável sonhar com uma Olivia Benson tupiniquim.

 Olivia Benson é diva-maravilhosa-foda-competente-e-incrível. Tá bom pra você?
 
Mas a realidade se encarrega de nos dar aquele tapa na cara estalado, né? A personagem da delegada nem de longe é uma Olivia. Ao contrário, parece ser tudo que a personagem não é. Enquanto a detetive Benson encara criminosos, investiga, interroga e ampara as vítimas, a delegada de Salve Jorge, até onde eu vi, não apareceu fazendo nada (ficar sentada na sua mesa mexendo em papéis é o máximo que ela fez até onde eu vi). As cenas dela se resumem a uma histeria irritante com o ex-marido, ficar as voltas com a filha insuportável (se existir nesse mundo uma personagem mais escrota e chata que a filha da delegada, por favor, me avisem) e fazer compras de coisas que nunca vai usar. Ao contrário da detetive americana (que tem um passado terrível), a delegada da novela é uma desequilibrada, uma perua que por acaso trabalha na polícia e que ganha uma fortuna, pois mora numa casa de gente muito rica.

 Ela pode ser delegada no Fashion Police, ia arrasar! XD
 
Eu nunca esperei que Glória Perez criasse casos para serem resolvidos pelos (dois únicos) policiais e pela delegada fake de sua novela. Acredito que a trama de tráfico de mulheres irá esbarrar com eles em algum momento, mas nós sabemos que o que importa mesmo é o romance dela com o ex-marido. Ora essa, não é o que importa na vida de uma mulher? O amor? Mas eu queria sim que a personagem de Antonelli fosse pelo menos metade da mulher corajosa, inteligente e admirável que a personagem de Mariska Hargitay é. Será que é muito complicado escrever uma personagem que valorize mais a sua profissão, importante que só como essa, que ficar discutindo com ex-marido mala? 

 Chama a Olivia Benson, minha filha, porque a delegada da sua novela... sei não...
 
As pessoas reclamam que as novelas tem muita maldade, mas quer mais maldade que SVU? No entanto, temos Olivia Benson, que é uma HEROÍNA em caps lock!! Ela nos desperta algo que parece cada dia mais escasso nas novelas: admiração. Eu admiro a Olivia e queria ser phodástica como ela. Queria poder ser destemida e encarar as minhas fraquezas de frente. Acho que é disso que nossas heroínas precisam. Queremos mesmo as “Éricas”, que nada fazem além de orbitar um homem? Queremos mais daquelas turcas que só pensam em casar e ponto? Queremos mesmo uma delegada histérica que só desperta a curiosidade de qual tintura do cabelo ou cor do esmalte usa em cena?

Eu não quero. 

Elliot e Olivia... eita saudade!!

4 comentários:

Anônimo disse...

Uau! Nota 10 para o seu comentário. Realmente aquela delegada não está com nada. SEi que Olívia Benson não é delegada, é detetive, mas que a mulher arrasa com seu desempenho não existe a menor dúvida. Também sou fã de SVU, uma grande série. Faltou só voce dizer que Mariska Hargitay é muito linda e sexy. Também a mulher é filha de quem? Jayne Mansfield um dos maiores símbolos sexuais do cinema.

katia Anjo disse...

Realmente tabby achei um papel pessimo ! nos que vemos as series policiais sentimos falta da "Katy Mahoney" ( peguei muiiito das antigas antigas) !!!

Tabby Kink disse...

Pois é Katia, faltam heroínas como a Katy Mahoney e a Olivia Banson nas nossas produções nacionais... quem sabe essa delegada não se redime? Acho difícil, mas...

Rafi disse...

Adorei o post! Sou super fã da Olivia Benson e sinto saudades de assistir os episódios da quinta, sexta e sétima temporadas, que marcaram o auge da série. Não me lembro de ter visto muitas personagens tão cativantes como a Olivia por aí. Ela é humana e extremamente competente no que faz. Eu não sei o que se passou na caba da autora Glória Perez, mas é triste constatar que ela perdeu uma boa oportunidade. Como vc mesma disse, todas as personagens femininas vivem em função de homens, de casar, de viver um grande amor. Só isso. A delegada poderia ser uma excessão, mas, infelizmente, só decepciona.