quarta-feira, 23 de novembro de 2011

Mangás, editores e novos talentos


Oi pessoal!

Estava preparando um “Pra que gente?” para essa semana, mas uma ideia pintou na minha cacholinha (coisa rara aqui pro blog, um post novo é quase um parto sem anestesia peridural) e resolvi deixar a destilação de veneno pra próxima semana. Gostaria de falar um pouco sobre mangás. Esse mês chegou minha Ribon trazendo um one-shot de uma novata que mandou seu material para avaliação numa edição anterior. Peguei-me pensando nos motivos pelos quais ela foi escolhida entre as dezenas de mangás de iniciantes que devem chegar toda semana na editora. Será que eu tenho o que ela tem? E se eu tivesse a minha editora e fosse lançar uma revista como a Ação Magazine (no estilo shoujo, por favor! XD), saberia eu fazer a melhor escolha entre os aspirantes a mangakás? 

Antes de tudo, enquanto você lê esse pobre bloguinho, milhares de pessoas desenham mangás. E não me refiro aos japoneses não. Sei que algumas pessoas insistem que apenas se faz mangás no Japão, por razões nunca muito bem especificadas. A meu ver, mangá é um estilo e assim como o impressionismo pode ser copiado e assimilado. Uma vez que as regras e conceitos que regem aquele estilo são respeitados, porque não pode ser chamado de mangá? A nacionalidade (e DNA também, não sei) aqui é algo que não conta. A diferença é a bagagem cultural de cada povo. O mangá está na veia do japonês que convive com ele desde o berço. Quem já viu algum programa da NHK, por exemplo, vai perceber que para eles tudo é desenho, é representação gráfica. O Brasil nunca foi de apoiar as artes plásticas (até nossos colonizadores não tinham tradição nas artes visuais), que dirá quadrinhos. O nosso processo pode ser mais lento que o dos chineses ou filipinos, mas chegaremos lá. Estamos seguindo firmes no caminho, isso é o que importa.

 "Tenho o meu valor! Não sou pirata! Não uso nem tapa-olho, nem perna-de-pau!"

Então agora estamos lá naquele avião do filme “A Origem”, dopados e sonhando docemente. Acabei de ganhar na loteria e tenho dinheiro até pra forrar a gaiola do passarinho com notas de cem. Minha editora já tem o sugestivo nome de “Tons & Sonhos” e vou lançar minha antologia de shoujo mangá chamada “Lilás” (nome originalíssimo, diga-se). Resolvi convidar os melhores artistas que conheço, visando os mais profissionais e com mais vontade de trabalhar. Mas e os novos talentos? Terão vez? Como um editor no Brasil escolhe quem irá publicar? Que critérios ele usa? 

Quando a Tokyopop dava seus gemidos finais antes de ir pra cova, tiveram a genial ideia de lançar o livro “How to draw Shojo Manga”, originalmente publicado no Japão pela editora Hakusensha, casa de grandes revistas como a LaLa e a Hana to Yume. Corri pra conseguir meu exemplar, porque mesmo desenhando faz alguns anos, conquistado meus fãs (minha mãe, meu pai, minha avó, meu irmão e minha irmã) e já ganhado alguns trocados desenhando mangás, eu aprendi muito com esse livro. Estou sempre buscando me aprimorar, nunca é demais aprender coisas novas, ninguém sabe tudo. NINGUÉM. Se você conhece algum artista que sabe tudo, que manja tudo e tem resposta pra tudo; amigo ele é um deus ou um idiota. Segunda opção com mais de 99.99999% de chance. 

 Ótimo presente de natal para quem quer desenhar shoujo!

Voltando ao livro, caso queira desenhar lindas ilustrações em estilo mangá, ele não é para você. A abordagem vai desde algumas dicas de material (que, por favor, NÃO FAZ O ARTISTA!), passando por quadrinização e encerrando com o endereço da Hakusensha e de como você deve apresentar seu trabalho ao editor. Sim, amigos! Lá é comum mandar trabalhos e até agendar avaliações de material com os profissionais da editora. A indústria precisa ser sempre alimentada com novos talentos. Não é um favor. É como as coisas devem ser. Chamou-me muito a atenção que no livro um editor de mangás da Hakusensha disse que buscavam não apenas um bom desenho e uma história interessante, mas também um artista que pudesse crescer na editora. Eles buscam potencial. Será que eu saberia avaliar se um artista iniciante tem potencial? Obviamente que ter um desenho dentro dos limites do razoável é o mínimo. Anatomia correta e uma narrativa basicamente compreensível também. Mas como avaliar o potencial? Você saberia?

Outra prática comum (que eu seguiria na “Tons & Sonhos”) é não aceitar o artista na primeira entrevista. Ele pode ser um Akira Toriyama, mas não se dá logo uma chance ao sujeito. A razão é simples: nem todos sabem lidar com o NÃO. Muitos artistas (ou que se acham assim) se melindram fácil com críticas, tendo as mais diversas reações. Desde ameaçar o crítico com agressões (é sério) até jogar a toalha e não mais desenhar. Artista que se preze, em qualquer área, tem que saber apanhar, levar porrada e ficar em pé. Se cair na primeira bofetada, procure outra coisa pra fazer da vida, porque a tendência é lidar com trolls cada vez mais ferozes e com críticos construtivos cada vez mais exigentes. Agora imagina contratar um desenhista que no primeiro twit do @trolldapahvirada dizendo: “Sua história é uma merda!” tem um surto e larga tudo pela metade? Pois é. O NÃO é um bom termômetro. Eu que sei....

 Na esquerda a avaliação e na direita a publicação. Boa sorte!

Quando chegou a Ribon #10 de 2011, reparei que aquele desenho do one-shot estava entre as histórias submetidas à avaliação da revista, na edição #8 (como eu queria mandar uma história minha para avaliação! Eles iam me trollar muito, mas gostaria de uma opinião assim mesmo). A autora não tem aquele desenho espetacular de uma Maki Youko (sou fã), sofre algumas influências da Ai Yazawa, mas sem ser uma coisa descarada. Suas notas foram altas na avaliação da Ribon e ela conseguiu sua chance de ser testada pelo povão. Será que virá a ser uma autora famosa no futuro? Quem sabe? Mas foi interessante ver os primeiros passos de uma possível nova mangaká da Ribon. Com certeza faria isso em minha revista, dando espaço para avaliar novos artistas. Falta-me a bagagem para enxergar além de um desenho bonito (me derruba um desenho lindo, confesso), mas espero que aos editores brasileiros não. O que o pessoal da Ribon enxergou naquela moça pode (e deve) estar em muitos artistas nacionais, mas saberíamos ver? Poderíamos ir além das amizades, dos gostos pessoais, do preconceito com estilos A, B ou C? Do “nome” que alguns construíram na “terra de cego”?

Concursos de desenho são coisas cruéis e vis, mas muitas vezes é a melhor maneira de encontrar um artista. A editora espanhola Norma promove todos os anos um concurso de mangá para jovens talentos. O vencedor ganha a chance de publicar apenas um livro para começar. O resultado desse ano já saiu e confesso que rolou certa decepção. O nível dos trabalhos realmente estava meio baixo se comparado ao do ano passado. Lá no site Mision Tokyo ainda dá pra ver os finalistas. Participei ano passado e nem entre os 10 melhores eu fiquei. Foi uma boa experiência, acredito que hoje faria diferente, mas nada garante que teria chance mesmo assim. Algo no estilo da Norma é muito interessante. Um trabalho de volume único poderia ser o caminho para novos artistas aqui no Brasil.

 História vencedora do "Concurso Manga" de 2010 já em publicação pela Norma

Quando estava comemorando meu sucesso com a “Tons & Sonhos”, me vingando de todos os meus desafetos da época da escola e indo para minha cobertura tríplex de frente para o mar com meu noivo Sr. Eames, ouço aquela safada da Piaf começar a cantar! Vaca de francesa! Isso significa que logo em seguida vem o chute. Acordo tonta, revoltada, não estou mais no avião, mas num ônibus lotado em um engarrafamento na Avenida Brasil. O sonho de ter minha editora e publicar minha antologia shoujo fica pra próxima vida. Continuarei desenhando e fazendo minhas histórias, usando a internet a meu favor. Esse sonho de coordenar uma revista no estilo shoujo é lindo, mas não sei se me sairia bem. Não escalaria apenas os amigos, isso é fato. Impessoalidade é a melhor amiga da competência. Encontrar os profissionais empenhados e que deixassem o ego em casa. É... não é um trabalho fácil. 

Nossas chances de fazer nosso mercado de mangás nacionais crescer nunca estiveram maiores. Quem esteve lá no começo da febre de CDZ, quando a Rede Manchete ainda existia, sabe o quanto pipocou gente oportunista e canalha, com revistas medíocres e mão-grande no trabalho alheio. Depois desses tropeços, acho que estamos acertando o passo, com gente bem intencionada agora. Quem sabe a “Lilás” um dia se torne realidade? As chances são bem maiores que ser noiva do Sr. Eames....

15 comentários:

Alexandre Lancaster disse...

Bom post. O que você diz aí vale muito, inclusive fora do âmbito shoujo.

E lilás não é um nome ruim para uma revista para meninas de doze anos. :)

Anônimo disse...

Ola Tabby! Legal! Fiquei interessada no livro! Você conhece o Samurai Manga workshop? tem umas aulinhas básicas, mas interessantes para se familiarizar com alguns materiais e que são compradas a 3 dólares ^^.

Rafi disse...

Ótimo texto, Tabby-chan. Vc disse tudo e com muita propriedade. Os japoneses tem mesmo muita bagagem editorial e conhecem a fundo seu público. Ainda estamos começando, ganhando experiência a cada tentativa. E eu não me refiro apenas ao mangá, falo de quadrinhos em geral. É gratificante perceber que não apenas os profissionais da área amadureceram, mas tb quem consome gibis.

Só não tenho paciência para quem continua insistindo em práticas burras, como chamar amigos para trabalhar ao invés de gente realmente talentosa. E o seu post deixa claro que talento é algo abrangente e muito mais complexo de se enxergar (e lidar corretamente) do que se pensa. Vamos torcer para que os editores brasileiros saibam reconhecer um artista de verdade e que o mesmo saiba sê-lo. ^__^

Tabby Kink disse...

Oi Alexandre! Meu post não é tão cheio de informações como os seus sobre esse assunto, mas precisava comentar sobre essa prática japonesa de abraçar os novos talentos assim. Quem sabe um dia poderemos fazer o mesmo? Pois é, "Lilás" seria um nome bem bonitinho, né?

Tabby Kink disse...

Oi Anônimo! XD
Não conhecia o Samurai Manga workshop, mas parece bem legal, hein? Pena é que eu sou pobre e nem 3 dólares eu posso dar... U__U

Tabby Kink disse...

Pois é, acho que essa bagagem, essa vivência de anos que torna os japoneses anos luz de todos os outros. Mas isso se conquista com tempo e empenho. Acho que temos todo o talento e capacidade de chegarmos lá!

Em lugar nenhum chamar amigos e contratar gente de ego inflado dá certo. Mas em arte de qualquer área, tá cheio de gente assim...

Juloyola disse...

Ótimo post! Concordo com vc, aqui em brasil é feito um passinho de um bebê! Só um começo...
O comentário da Rafi é ótimo, acho q sim as editoras brasileiras reconhecerão assim. Muitas artistas fora do Brasil são fantásticos!
Só isso.

Tabby Kink disse...

Obrigada, Ju! Sim, as coisas por aqui são mesmo mais lentas, mas vamos confiar e nunca desistir! Aqui temos muitos talentos, eles merecem ser reconhecidos!

Anônimo disse...

Oi tabby! Estava justamente preucurando concursos de mangas aqui na internet, ou oportunidades de editoras grandes que estejam preucurando novos talentos para desenhar mangas. Ai achei seu site, gostei muito desse post, acho que vc colocou as palavras certas. Realmente o brasil ainda precisa melhorar e muito na produção de quadrinhos nacionais. Começei a desenhar com 14 anos, no inicio meus pais nunca me deram apoio, pois falavma que era um mercado muito incerto , mas sempre pensei( poxa, no brasil existem muitas editoras e pessoas qualificadas que podem tomar uma iniciativa bacana) então eu continuei desenhando e treinando por um bom tempo.Quando eu desenhava sempre achei que pelo meu esforço eu seria o unico com um traço incrivel e tals, mas eu estava errado, conheci muita gente talentosa e com grande potencial no grupo da ação magazine na pagna do facebook, ( obrigado alexandre soares). Dai então eu me reuni com um grupo de 4 pessoas que tambem tem o mesmo intuito que é revolucionar o quadrinho brasileiro. E dividimos a tarefa de produzir um one shot pra ação. E conseguimos, estamos em processo de finalização ja. Mas acredito que esse ano muitas oportunidaes apareceram como a editora draco que tem o intuito de achar novos talentos para uma coletania que se não me engano são 6 historias com 20 pagnas cada. É isso, curti muito seu post e parabens pela boa forma de colocar as coisas.

Tabby Kink disse...

Oi Anônimo! XD
Torço para que você e seus amigos tenham sucesso. Mas se não rolar desta vez, não pense em desistir. Esse caminho é mesmo pedregoso, mas fazer quadrinhos não é impossível. Basta muita vontade e amor pelo seu projeto. Há sim oportunidades fora do Brasil, mas esperamos que as coisas melhorem cada vez mais por aqui. Não liga se seus pais ou quem quer seja não te apóia. Você precisa ser forte pra aguentar o tranco, seja em que área for, e muitas vezes contar somente consigo. Boa Sorte e obrigada pela visita!

Julia quiqauaiu disse...

Caramba seu Blog ta´me insentimvando muito... eu estava epsnando em esses dias deixar de treinar de desenhar, pensando " O mercado brasileiro não tem opotunidades, ainda mais pra uma historia de mangá romance( É oq eu pretendo seguir ahsuasu)" Mas, me sinto masi motivada , se você souber de concurosos de mangá publica pro pesoal saber! Adoro seu blog Kissu!

Julia quiqauaiu disse...

Caramba seu Blog ta´me insentimvando muito... eu estava epsnando em esses dias deixar de treinar de desenhar, pensando " O mercado brasileiro não tem opotunidades, ainda mais pra uma historia de mangá romance( É oq eu pretendo seguir ahsuasu)" Mas, me sinto masi motivada , se você souber de concurosos de mangá publica pro pesoal saber! Adoro seu blog Kissu!

Tabby Kink disse...

Oi Julia! Que bom que gostou do post! Trabalhar com quadrinhos no Brasil, em qualquer estilo, é mesmo difícil, mas não impossível. Não desista! Se o seu trabalho for bom, a oportunidade aparece, o importante é se esforçar!
Se souber de algum concurso, pode deixar que aviso.

Clara B disse...

Eu achei o seu blog aleatoriamente e descobri aqui o How to Draw Shojo Manga. Fiquei tão interessada que comprei! Agora estou apaixonada pelo livro e achei que deveria passar aqui de novo pra agradecer a dica!

Tabby Kink disse...

Oi Clara! Que bom que gostou do livro e alguém (finalmente) seguiu uma sugestão minha! XD
O livro é mesmo muito bom, dá ótimas dicas e vai direto ao ponto! Obrigada pela visita!